Home Notícias INTERNACIONAL AMÉRICA LATINA EUA querem que militares ‘traiam’ Maduro, denuncia embaixador venezuelano na Rússia

EUA querem que militares ‘traiam’ Maduro, denuncia embaixador venezuelano na Rússia

4 minutos
0
0
114

Os Estados Unidos querem que o Exército venezuelano “traia” o presidente Nicolás Maduro para facilitar uma mudança de governo, disse nesta terça-feira o embaixador venezuelano na Rússia, Carlos Rafael Faria Tortosa.

As tensões na Venezuela aumentaram quando Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, liderada pela oposição, declarou-se presidente interino em 23 de janeiro, disputando a reeleição de Maduro.
A declaração de Guaidó foi quase imediatamente reconhecida pelos Estados Unidos e alguns de seus aliados, com o primeiro prometendo renunciar a sanções punitivas contra oficiais militares venezuelanos se eles jurassem lealdade ao líder da oposição.

Rússia, China, México, entre outros, disseram que consideram Maduro o presidente legítimo da Venezuela e pediram a não-interferência.

“Eles estão olhando para as nossas forças armadas para trair nosso presidente”, declarou o embaixador Tortosa em uma reunião na Câmara Alta do Parlamento russo.

Segundo o diplomata, Washington persegue esse objetivo, já que o povo norte-americano não apoiaria a invasão direta dos EUA à Venezuela.

Ele acrescentou que os Estados Unidos bloquearam as contas venezuelanas em uma tentativa de provocar a revolta das pessoas contra as autoridades em meio à crise econômica.

O embaixador ressaltou ainda que a Constituição venezuelana não tem essa noção de presidente interino, convidando todos os interessados a estudar o documento.

“Todos eles — Guaidó, [o presidente dos EUA Donald] Trump e [o secretário de Estado dos EUA, Mike] Pompeo — afirmaram repetidas vezes que o artigo 233 supostamente fala [sobre o presidente interino]. Convido todos que estão interessados nisso — vamos ler o que está escrito lá. Não diz nada sobre isso. Esses também são métodos para enganar pessoas em todo o mundo”, complementou.

O artigo 233 da Constituição venezuelana diz que se o presidente eleito “se tornar permanentemente indisponível” para desempenhar suas funções em caso de morte, renúncia, afastamento do cargo por decisão do Supremo Tribunal de Justiça e outros motivos listados na lei principal, o presidente da Assembleia Nacional assumirá a presidência até a eleição, que deverá ser realizada dentro de 30 dias.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Redação
Carregar mais em AMÉRICA LATINA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Demora na justiça fez prescrever ação que investigava Edir Macedo por lavagem de dinheiro

Por Rute Pina Após oito anos em tramitação na Justiça, uma ação que investigava por lavage…